• Abner Oliveira

Abracorp elege conselhos para o biênio 2020/2021 e lança o "Canal da Transparência"

Reunidos em assembleia eleitoral, de acordo com os estatutos, os representantes de todas as TMCs – Travel Management Companies associadas, reconduziram Carlos Prado, da Tour House e Luis Vabo, da Solid, à presidência e vice-presidência do Conselho de Administração da Associação Brasileira de Agências de Viagens Corproativas – Abracorp.

O comitê de Governança ficou responsável o Marianno Santos, da Riotravel; Luís Vabo para o Fortalecimento de marca; Edmar Bull, da Copastur, será o responsável por Tecnologia & Novos Recursos; Eduardo Vasconcellos Neto, da Kontik está com Dados de Mercado; Qualidade Abracorp será de responsabilidade de Rubens Schwartzmann, da Costa Brava; e Siderley Santos, da Maringá, auxiliará o Envolvimento dos Associados.

Ao falar sobre sua vitória na eleição, Carlos Prado afirma: “Agradeço a confiança de todos e reitero a minha certeza de que juntos podemos e vamos superar as dificuldades enfrentadas com profissionalismo e crescente reconhecimento do mercado sobre a importância dos serviços prestados para os nossos clientes”.


Na coletiva de imprensa de ontem (11), ocorreu o lançamento do Canal da Transparência, com o objetivo de atuar na orientação aos seus acionistas, para que valores e princípios éticos das organizações sejam seguidas sem nenhum equívoco, alem de ajudar as emprensas nos negócios, na administração e no seu controle.


O Canal foi desenvolvida pela KPMG, onde o associado, de maneira anonimato ou não, pode acessar de diversas maneiras, entre eles o e-mail, o site, o 0800. Nas análises dos relatos são considerados as 5 bases de diretrizes da entidade, que são: o código de ética e conduta, os princípios de valor do associado, e os guias de melhores práticas do cliente, do fornecedor e em evento.


Para o presidente do Conselho da Abracorp, Carlos Prado, é fundamental haver uma harmonia entre as relações comerciais. "Vamos seguir rigorosamente nosso código de ética e guia de boas práticas, porque o cliente também tem o código de conduta e ética dele. Tem que haver uma harmonia entre as relações comerciais e proporcionar um ambiente onde as empresas se relacionem de maneira madura e possamos fazer um Brasil melhor”, ressalta.