• Abner Oliveira

Destinos nacionais são apostas do Turismo para a temporada de férias

O turismo foi um dos mais afetados pela pandemia do novo coronavírus e viu a receita cair drasticamente desde o início do ano. A pouco meses da temporada de férias, a expectativa é pelo reaquecimento do setor, mesmo que de maneira lenta e com a adoção de rígidos protocolos de segurança. Com a malha aérea ainda reduzida e o dólar em patamar elevado, a aposta é que os destinos nacionais serão os preferidos dos turistas.

"O que fica claro é que o turismo de proximidade vai ser mais forte. Estamos só com 10% dos nossos voos internacionais, 45% dos voos para o Brasil e vamos chegar 65% no final do ano. Nós calculamos que gastamos R$20 bi em São Paulo para viajar para o Brasil e R$ 20 bi para o exterior. Disso está sobrando R$ 13 bi que não foi gasto nesse ano", projetou o secretário de Turismo do Estado de São Paulo, Vinicius Lummertz, durante o webinar "Futuro do Turismo e as Expectativas para 2021", transmitido nesta quinta-feira (22) pela In Press Oficina.


Além do secretário, participaram do evento o diretor-presidente do Grupo Cataratas, Pablo Morbis, e a sócia-diretora da In Press Oficina, Patrícia Marins, especialista em gestão de crise e reputação. A diretora do núcleo de relacionamento com Poder Público da In Press Oficina, Fernanda Lambach, fez a moderação do bate-papo virtual.

Para o diretor-presidente do Grupo Cataratas, responsável pela administração de parques por todo o país, já existe um movimento de retomada do turismo, que deve se acentuar nos próximos meses. Ele avalia que a maior procura será pelos destinos distantes dos grandes centros.

"De forma geral, a gente percebe que esse movimento do turismo começa a retomar, as vendas em setembro da CVC foram 89% das vendas de setembro do ano anterior. É a hora do brasileiro aproveitar o seu país e nossas riquezas. Conhecer o seu país a fundo. Quantos brasileiros conhecem Lençóis Maranhenses, Jericoacoara, Fernando de Noronha, Jalapão, Chapada do Guimarães, Chapada dos Veadeiros, Foz do Iguaçu?"


Na mesma direção, o secretário de turismo de São Paulo destaca que o Brasil tem um enorme potencial turístico represado e que deve ser explorado neste momento de reinvenção do setor. "Deixa eu comparar: 320 milhões de visitantes em parques naturais nos Estados Unidos. No Brasil, 14 milhões. Nós temos mais de 60% de cobertura vegetal e eles, 20%. Não faz sentido. O Brasil tem o maior potencial natural para desenvolver o turismo no planeta. Essa é a oportunidade que temos para fazer isso", disse.