• Abner Oliveira

Público já pode visitar os principais museus literários da cidade de São Paulo!

A Rede de Museus-Casas Literários de São Paulo aumenta a capacidade de público e amplia horário de visitação a partir do dia 17 de agosto. A rede é composta pelos museus Casa das Rosas, Casa Guilherme de Almeida e Casa Mário de Andrade.

Os dias de visitação voltam a ser aqueles do funcionamento dos museus antes da pandemia, de terça a domingo, das 10h às 18h. O número de visitantes varia por unidade: a Casa das Rosas receberá até 15 visitantes por hora, a Casa Guilherme de Almeida permitirá até 5 visitantes por hora e a Casa Mário de Andrade estabelece o limite de 6 visitantes por hora. Confira a programação:

Casa das Rosas

Casa das Rosas / André Hoff


Até o dia 29 de agosto, o público que visitar a Casa das Rosas encontrará a exposição Coestelário. A mostra é uma homenagem às vidas abreviadas pela pandemia em 2020. Os visitantes poderão apreciar a exposição de longa duração "Estrutura explodida - vidobra de Haroldo de Campos" e conhecer ou rever o belo imóvel do museu, da década de 1930, quando o casarão no estilo clássico francês foi projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo, onde seus herdeiros viveram até os anos 1980.

Casa Guilherme de Almeida

Casa Guilherme de Almeida / André Hoff


Quem visitar a Casa Guilherme de Almeida encontrará os móveis, objetos, livros e obras de arte que pertenceram ao patrono do museu, poeta, tradutor e jornalista Guilherme de Almeida, e à sua esposa Baby de Almeida, além de uma exposição temporária de livros raros de autores modernistas, como Pauliceia desvairada, de Mário de Andrade, e Pau Brasil, de Oswald de Andrade.

Casa Mário de Andrade

Casa Mário de Andrade / André Hoff


A exposição de longa duração "Morada do Coração Perdido" , na Casa Mário de Andrade, traz a trajetória multifacetada do escritor, músico, pesquisador e gestor cultural Mário de Andrade, as curiosidades da residência onde o modernista e seus familiares viveram entre as décadas de 1920 e 1940, além de como o imóvel, que completou 100 anos em 2020, se tornou instituição museológica.

Os visitantes também poderão conhecer a exposição temporária "Fantoches da meia-noite - A modernidade que sai das sombras". A mostra focaliza uma das criações mais representativas do processo de instauração do movimento modernista no Brasil: o raríssimo álbum de gravuras Fantoches da meia-noite, de Di Cavalcanti, publicado em 1921 pela Editora Monteiro Lobato e Cia.

Estarão expostas as 16 pranchas que integram o exemplar do acervo da Casa Guilherme de Almeida, colorido à mão por seu autor. Trata-se, portanto, de exemplar único, que pertenceu ao amigo e companheiro de Di Cavalcanti no movimento modernista, Guilherme de Almeida.

Todos os direitos reservados ©2020 - 2022 por Abner Oliveira Oficial 

  • linkedin
  • instagram
  • facebook